Literatura e Ciência na Ficção do Século XIX

 3 Ago, 22:02

18 €

Literatura e Ciência na Ficção do Século XIX

3 Ago, 22:02

18 €

Literatura e Ciência na Ficção do Século XIX, de Maria Helena Santana.
A Narrativa Naturalista e Pós-Naturalista Portuguesa.
Edição: Imprensa Nacional Casa da Moeda; 1 edição; 2007; 569 p.
Como novo; carimbo de anterior proprietário.
Prémio Primeira Obra do P.E.N. Clube Português, 2008
Entrego em mão ou envio por correio com portes a cargo do comprador.

"O prestígio alcançado pela Ciência pós-iluminista contribuiu para uma acentuada subalternização das Humanidades, gerando uma relação conflitual entre as duas culturas.
Na segunda metade do século XIX, a reacção dos homens de letras à perda de poder simbólico traduziu-se, paradoxalmente, numa tentativa de mimetismo em relação à «ciência positiva do seu tempo. Dos paradigmas biologista e darwinista emergentes, a Literatura incorporou.
Uma nova visão da natureza e da vida, mas também uma mitologia cientifica, cristalizada num conjunto de produtos culturais (a selecção natural e o struggle for life; a histeria, a degenerescência, a nevrose mística e artística...) cujo rasto se procura seguir neste estudo.
Ancorado nas doutrinas do Positivismo e na sua ideologia burguesa do Progresso, o romance naturalista reivindica uma «alta missão social: a moralização da vida pública e privada; a utopia da cidade ideal e da perfeição individual; a vigilância dos costumes, das paixões e dos instintos. Mas a poética romanesca não vive apenas da normalidade, antes implica a dramatização do erro e do desvio, a dialéctica do desejo e da culpa - e aí reside o seu interesse literário.
Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Teixeira de Queiroz e Abel Botelho são alguns dos autores aqui estudados. Muitas das suas obras, centradas na equação Progresso/Felicidade, ilustram as contradições do pensamento positivista no dealbar do século XX."


Tiago Pedro

Anunciante desde Set. 2014
Lisboa