Dona Bárbara de Rómulo Gallegos

 11 Set, 10:42

3 €

Dona Bárbara de Rómulo Gallegos

11 Set, 10:42

3 €

  • VendaTipo
  • PortoConcelho
  • Aldoar, Foz do Douro e NevogildeFreguesia
  • 31955063Id do anúncio

Vendo: 3,00 euros - Tem 6 Fotos

Título: Dona Bárbara
Autor: Rómulo Gallegos
Tradução: Pedro da Silveira
Editora: Publicações Europa-América
Páginas: 350

Sinopse:

O livro é um romance maravilhoso ambientado no interior da Venezuela, na planície do Arauca, lugar de criação extensiva de gado. Naquela região, imperava o ditado de que o mais forte sobrevive. Os conflitos são resolvidos na base da violência e a lei era bastante flexível. Um certo Evaristo Luzardo, caminhante errante por aquelas bandas, fundou por lá sua fazenda: Altamira. Suas terras se estendiam por muitos quilômetros, era extremamente rica.

Devido à uma briga de família após a morte de um dos Luzardo, parte de Altamira tornou-se Barcarenha, dando início a um conflito que teria continuidade através dos anos. Daí conhecemos o personagem principal: doutor Santos Luzardo. Santos se mudou com sua mãe para Caracas quando era adolescente, para fugir das lembranças ruins da fazenda.

Na cidade, Santos estudou e se formou advogado, tornando-se um homem civilizado e muito correto na aplicação das leis. Nesse meio tempo, a fazenda esteve abandonada nas mãos de administradores de reputação duvidosa, descuido que permitiu a ascensão da personagem que dá título ao livro: dona Bárbara.

Bárbara é uma mulher de origem indígena abençoada com a beleza, despertando a inveja das mulheres e a luxúria dos homens. Ela cresceu no meio da violência da região, o que a fez suprimir certos sentimentos e agir com poucos escrúpulos, transformando-se em uma criatura perigosa.

No mais profundo de suas tenebrosas recordações, nos primórdios da consciência, via-se uma embarcação sulcando os grandes rios da selva do Orenoco. Eram seis homens a bordo e ao capitão ela chamava o taita, o paizinho, mas todos eles à exceção de Eustáquio brutalizavam-na com idênticas carícias: rudes apalpadelas, beijos que sabiam a aguardente e a chimó...

Este é um livro interessantíssimo e um dos principais romances da América do Sul.


Ernesto Luz

Anunciante desde Dez. 2015
Porto